Arquivo da categoria: 'Turnês'
29
09

Os roqueiros australianos do 5SOS estrearam na industria musical quando os meninos do One Direction os escolheram para ser banda de abertura do grupo. Agora, os cantores podem seguir os passos da banda já que vão entrar num hiatus para escrever terceiro álbum.

É claro, acontece que o quarteto fez a melhor escolha quando se juntou ao 1D.  Os relatos alegam que foi o que impulsionou os roqueiros para o estrelato global, fazendo com que eles construíssem sua própria grande fanbase. As duas bandas continuam firme com sua amizade, embora a boyband inglesa esteja em um hiatus por bastante tempo agora.

Charmosamente, o vocalista Luke Hemmings, Ashton Irwin, Michael Clifford e Calum Hood até mesmo agradeceram às estrelas do One Direction, Niall Horan, Harry Styles, Louis Tomlinson, Liam Payne e o ex-membro, Zayn Malik. Como a parte norte americana da turnê do 5SOS finalmente terminou, os fãs sentem que o grupo já têm estado longe por milhões de anos.

A parte boa é que os pop rockers decidiram em suas mentes a escrever o terceiro álbum, o que significa que eles não vão se separar depois da folga.

Abordando as questões sobre uma próxima turnê e álbum, Michael Clifford admitiu que eles estão definitivamente animados para fazer outro álbum e turnê depois desse hiatus.

Sugarscape observou que o guitarrista explicou como a futura turnê seria uma real oportunidade para que eles cresçam mais. Ele também acrescentou que os ajudaria a aprender mais sobre eles mesmos e também sobre o mundo.

Além disso, o tablóide esclareceu alguns fatos sobre as declarações de Clifford. Afirmou que a banda 5 Seconds of Summer iria querer ir em uma turnê depois de finalizar sua turnê, Sounds Live Feels Live. Próximo, o guitarrista estava animado para entrar no estúdio e escrever o terceiro álbum. Por último, os rapazes querem crescer e aprender mais.

Enquanto os músicos terminam sua turnê na América, a conta oficial do grupo no twitter anunciou que os meninos irão voltar a sua terra natal. O post dizia, “De qualquer forma, de volta à Austrália, agora para 4 shows! Esperamos ver alguns de vocês! Eu sei que vamos! Enviando amor para todos que lerem isso.”

5SOS fará quarto shows na Australia começando em 29 de setembro, no Margaret Court Arena, em Melbourne. Em outubro, eles estão programados para tocar no Riverstage, em Brisbane. Eles também botar fogo no palco do Hordern Pavillion, no Moore Park NSW em 4-5 de outubro.

Fonte: HOF Mag
Tradução/Adaptação: Equipe 5SOS Brasil

25
09

Uma gritaria que não é possível ouvir nada; foi o que aconteceu no Auditorio Nacional durante o show da banda pop 5 Seconds Of Summer.

O local estava completamente cheio e animado de fãs dos australianos, dando boas-vindas aos rapazes na noite de sexta-feira (23). Eles vieram realizar o show da turnê Sounds Live Feels Live, alusivo ao álbum Sounds Good Feels Good.

“Olá México, como vocês estão?”, disse Calum em espanhol. “Somos uma banda muito grata por ter aqui no México a melhor plateia de todo o mundo”, continuou, mas dessas vez em inglês. O quarteto, formado por Calum, Luke, Michael e Ashton, não hesitou em apreciar os gritos e os elogios vindos dos fãs mexicanos, que já enlouqueciam só de vê-los se moverem, dançarem ou simplesmente falarem.

Hey Everybody, Outer Space e Amnesia estavam entre as músicas mais cantadas pelos fãs, em inglês e com a pronúncia impecável. Além disso, os meninos agradeceram os fãs pelo carinho e pelos presentes.

She’s Kinda Hot, End Up Here e Permanent Vacation também foram umas das mais esperadas durante o show que durou uma hora e meia.

Fonte: El Manana
Tradução/Adaptação: Equipe 5SOS Brasil

21
09

5 Seconds of Summer, Hey Violet, Roy English
The Cynthia Woods Mitchell Pavilion
18 de Setembro de 2016

Foi um momento de espanto e terror. Parecia ter durado cinco minutes, mas talvez talvez tenha durado apenas dois; o negócio sobre momentos é que as vezes você só tem que seguir com eles, e quando isso acontece o tempo se torna sem sentido. O que aconteceu foi que Michael Clifford estava parado em frente ao seu microfone, banhado por luz enquanto o resto do palco estava escuro, e o público gritou enquanto seu rosto era projetado nas várias telas montadas para o show. E ele ficou lá e o público continuou gritando, e ele continuou parado e o público continuou gritando e assim por diante, e assim por diante.

Eu não posso te dizer o porquê do público adolescente estar gritando, se foi apreciação pela música que Clifford canta ou só por causa do quão bonito ele é, mas eu posso te dizer que por um breve momento eu fiquei com medo de que os gritos nunca mais fossem parar. A parte espantadora vem do fato de que eu fico sempre espantado de ver esse tipo de paixão nas pessoas – o que não é inerentemente uma coisa boa (eu poderia definitivamente ver algo do tipo acontecendo num comício do Donald Trump), mas é por isso que eu usei espantador ao invés de maravilhoso – e a parte do terror vem do fato de que a um nível de decibel você consegue ouvir o som quebrando em estático. Mesmo com tampões de ouvido improvisados feito de guardanapo, meu cérebro não conseguia processar o som propriamente.

Quando eu era mais novo e bem mais problemático, eu costumava pensar que garotas não entendiam música. Essa é uma coisa bem bosta para se pensar, mas a maioria dos adolescentes masculinos arrogantes são pessoas bostas, companhia presente inclusa. Quero dizer, meu Deus, por que qualquer pessoa ouviria boybands quando poderiam estar ouvindo Papa Roach ou Static-X?

Eu cresci desde aqueles dias de comiseração lamentável com meus amigos homens fãs de música e, embora eu ainda seja problemático, eu gosto de pensar que eu me tornei muito melhor em aceitar o gosto musical das pessoas. Música é como lutas ou filmes de terror, ou qualquer outra ótima forma de arte: Nós todos somos como o que nós gostamos, por qualquer que seja a razão de gostarmos, e isso é bom.

E é fácil entender o porque as pessoas gostam de 5 Seconds of Summer. Todo ano eles ficam um pouquinho melhor, e agora seu set é todo rock sólido, incluindo algumas joias, como “Castaway” e “Jet Black Heart”. O show é um pouco pesado nas brincadeiras no meio do show, mas num geral, eles deixam a música falar por si mesma sem muita pompa com os efeitos de palco. Claro, precisa de mais de 20 pessoas para escrever um álbum do 5 Seconds of Summer, mas eles carregam a si mesmos como uma banda primeiro, ao invés de boyband.

Eu queria poder assisti-los com a mente aberta e o coração de um jovem de 15 anos ao invés do cinismo de um de 33. Toda vez que eles falavam sobre o quanto eles amaram Houston e como eles realmente queriam terminar a turnê, eu revirei meus olhos porque é isso que estou ligado a fazer. Não importa o que eles pedissem, não iria ser a melhor noite da minha vida.

Mas eu suspeito que para mais do que algumas pessoas, provavelmente foi, Claro, eles vão ter melhores, pelo menos eu espero, mas quando você é jovem, tudo parece importante… sim, eu posso definitivamente ver como isso aconteceria com alguém.

Se eu tivesse 15 anos, com certeza, não seria pego morto num show do 5 Seconds of Summer, porque não é assim que os meninos de 15 anos que veem meninas como objetos agem, mas eu provavelmente iria fazer download ilegal de suas músicas e ouvi-las na privacidade do meu quarto. Quero dizer, você não pode ser pego no Spotify ouvindo esse tipo de coisa. O que seus amigos diriam?

Então, como foram as bandas de abertura? Roy English tem uma voz decente o suficiente, várias músicas são totalmente esquecíveis e um corpo que faz garotas gritarem quando ele tira a camisa. Ele vai se dar bem nessa indústria. As outras bandas zoaram com ele no final de seu show com uma festa da pizza no palco, o que foi bem adorável. Foi interessante que eles não ligaram as câmeras nesse show, mas eu acho que eles nçao quiseram queimar o público por tê-los gritando o tempo inteiro em seu show.

Hey Violet se reinventaram ao longo do ultimo ano. O que era um pop-rock bem animado, beirando o pop-punk, agora é uma banda meio beira de estrada que não faz muito para se distinguir dos seus contemporâneos. Para ser honesto, eles soavam como o que eu assumo que os lançamentos solo de Rena Lovelis soariam. Então isso foi meio decepcionante. Eu estou surpreso que nunca ouvi ninguém quotando “Fucboi” no twitter, mas, talvez, seja porque estou seguindo as pessoas erradas. Miranda Miller teve menos tempo nas telas durante o show do que alguns pedaços de Road gear no palco, e eu senti como se essa fosse uma coisa que precisasse ser mencionada.

Preferência Pessoal: Eu gostei mais quando cobri o The 1975 no começo desse ano, que tem seguidores similares mas não em tamanha quantidade aqui nos Estados Unidos.

O público: Então, eu realmente quis dizer todas as coisas que disse sobre estar aceitando mais a opinião musical dos outros, mas essas crianças estavam mais animadas para cantar “All Star” do que “Basket Case”, e isso é objetivamente errado.

Ouvi no meio da multidão: “Eu estou morta! Eu estou literalmente morta!”, exclamou a jovem fã para sua amiga, animada sobre quão perto do palco seus lugares eram. “Sim, esse é onde eu estava ano passado”, sua amiga respondeu, um tanto presunçosamente.

Comentário aleatório: “Teenage Dirtbag” é, de certa forma, um herói anônimo do pop-rock moderno. Tem tantas músicas do 5SOS que tem uma dívida de gratidão com essa. Eu ainda me pergunto quantas pessoas que sabem a letra sabem quem é Iron Maiden.

Fonte: Houston Press
Tradução/Adaptação: Equipe 5SOS Brasil

18
09

5SOS (da esquerda) Ashton Irwin, Calum hood, Luke Hemmings e Michael Clifford. Foto: Chris Pavlich.
O corredor do lado de fora do camarim da 5 Seconds of Summer está movimentado, com seus amigos e familiares comemorando o show esgotado da banda no mundialmente famoso Madison Square Garden, em Nova York.

Minutos depois de sair do palco, encharcados de suor, os quatro rockstars australianos estão animadamente abraçando e cumprimentando seus entes queridos e aproveitando uma cerveja merecida nos bastidores, em frente a fotos de algumas das lendas que tocaram ali antes deles, de The Rolling Stones até o herói local Billy Joel.

O cantor Luke Hemmings, o guitarrista Michael Clifford, o baixista Calum Hood e o baterista Ashton Irwin, quatro rapazes dos subúrbios ocidentais de Sydney, sempre sonharam em ser a maior banda de rock do mundo.

5 Seconds of Summer em New York City, 15 de julho, 2016. Foto: Nick Hudson.
Em apenas cinco anos, eles foram de tocar para 20 pessoas em um pub do centro da cidade para sua atual turnê mundial “Sounds Live Feels Live”, que teve shows esgotados em arenas de toda a Europa e dos Estados Unidos. E eles fizeram tudo isso sem uma sucessão de hits pop monstruosos; ao invés disso, construíram uma base de fãs através do método característico do século 21 de postar covers de canções no YouTube, sendo a banda de abertura da boy-band britânica super-famosa One Direction, que os apresentou para o mundo em sua turnê de 2013, e tendo milhões de seguidores nas redes sociais.

A auto-denominada 5SOSFam baixou os álbuns da banda (o seu disco de estréia auto-intitulado lançado em 2014 e “Sounds Good Feels Good”, do ano passado), reproduziu os singles, comprou as camisetas e seguiu seu quarteto favorito em todos os lugares em que pudessem encontrá-los.

6:30am: Fãs em New York esperam por um sinal de 5SOS.
Esses fãs são a rocha sobre a qual muitas boy bands chegaram a pesar. As adolescentes cheias de hormônios que adotaram a banda há cinco anos atrás agora são jovens mulheres, menos histéricas e mais estrategicamente paqueradoras.

Irwin concorda que suas vidas são mais confortáveis agora que os gritos agudos os cumprimentam quando eles andam no palco, ao invés de quando eles andam pelas ruas, e gosta de se referir aos fãs como amigos.

Quanto à forma como ele se comporta quando quer se tornar mais do que um amigo, a fala do baterista é parental (e meio) amigável.

“É mais uma coisa que você precisa aprender. O que vai fazer seu coração se sentir bem e o que é bom para a sua alma. Obviamente há muitas belas mulheres que seguem essa banda e isso é incrível. Mas você precisa tomar cuidado com as suas ações e ter certeza de que está sendo respeitoso o tempo todo“, diz ele. “São sobre essas pessoas que nós escrevemos nossas músicas, também. Você conhece diferentes pessoas maravilhosas ao longo do caminho.”

8:15am: Irwin, Hood, Clifford e Hemmings se divertem na rádio SiriusXM. Foto: Nick Hudson.
O guitarrista Clifford concorda, dizendo que sua mãe Karen prefere não saber sobre as atividades sexuais de homens jovens em bandas. Na realidade, deve ser difícil de evitar, com seu filho e sua namorada, a modelo Cristal Leigh, aparecendo regularmente em colunas de fofocas e muitas vezes sendo expostos nas redes sociais. Assim como Hemmings e sua companheira, a estrela de redes sociais Arzaylea, que se conheceram na festa de aniversário de 18 anos de Kylie Jenner.

“Nós somos tão jovens e o negócio é que… [namorar é] tão normal”, diz Clifford. “Se um outro garoto de 20 anos de idade, chamado Michael Clifford que mora em Sydney, estivesse tentando ficar com uma garota que ele conheceu no ensino médio, literalmente ninguém ligaria. É por causa desta estranha plataforma que nós temos que as pessoas se preocupam com isso… Demorou um tempo para nos acostumarmos.”

Os rapazes, todos com 20 anos de idade, exceto Irwin, que tem 22, adicionaram a maioria dos aspectos do estilo de vida nômade e muitas vezes desgastante de músico ao seu ritmo. Apesar disso, até agora não houveram idas para a reabilitação, nenhuma grande briga entre a banda, e colapsos nas redes sociais ao estilo de Bieber.

9am: Brincando de se fantasiar para divulgar seu single ‘Girls Talk Boys’, que está na trilha sonora de “Ghostbusters”.
Este dia exaustivo em particular na vida de 5SOS, sexta-feira, 15 de julho, começa mo horário nada rock’n’roll das 06h30, quando os músicos e sua equipe emergem como os mortos vivos para a rádio criadora de hits SiriusXM, que os apoio desde o início. Eles cumprimentam os fãs do lado de fora do Soho Grand Hotel antes de algumas horas de entrevistas e meet-and-greets.

Depois de inalar o pequeno café da manhã no canto de um estúdio onde produtores preparam freneticamente a sua entrevista ao vivo e a estréia de rádio de seu novo single, “Girls Talk Boys” (que está na trilha sonora de “Ghostbusters”), a banda liga a sua engrenagem.

A 5SOS é tão divertida aqui quanto quando está no palco, ensinando os apresentadores sobre gírias australianas – sickie, mozzie e pokie – enquanto Irwin conta uma história da noite anterior, quando ele estava em um bar e teve que enviar uma mensagem para a sua família pedindo uma foto do seu cachorro de 23 anos de idade para convencer as pessoas de que o cãozinho idoso ainda está vivo.

1.45pm: Os ensaios no Madison Square Gardens começam. Foto: Modest Management.
Antes de saírem da estação de rádio, é o momento do sorriso-e-aperto. Primeiro os funcionários da rádio, em seguida, os fãs: dê sua bolsa para um segurança, fique parado no meio dos quatro caras, pegue sua bolsa novamente e saia pela porta. A foto será enviada posteriormente. Não é frio e clínico – é como uma máquina bem oleada que garante que todo mundo tenha seu momento e seu souvenir.

Eles têm algumas horas para pegar no sono ou passear pelo Soho antes da passagem de som no Madison Square Garden, outra sessão com 1500 fãs vencedores de um concurso e, finalmente, o show.

Durante o ensaio, eles passam seu novo single – que agora tem mais de 16 milhões de streams no Spotify, contando desde o seu lançamento em meados de julho – para a sua estreia ao vivo.

A responsabilidade de Hemmings, Irwin, Clifford e Hood é clara: eles insistem que se o vídeo que acompanha a música durante o show não estiver pronto, eles não vão utiliza-lo naquela noite, e limpam a apresentação até que estejam satisfeitos.

2.15pm: Ensaiando para o seu show com ingressos esgotados no Madison Square Garden. Foto: Nick Hudson.

Ajustes finais antes do show no Madison Square Garden. Foto: Nick Hudson.
Irwin diz que produzir o segundo álbum revelou as forças individuais dos meninos. Ele cuida das artes, Hood é forte na composição, Clifford é o guru do som e da produção, e Hemmings focou em seus vocais como vocalista, assim como em tocar piano. “Eu acho que é por isso que estamos na posição em que estamos agora”, diz Clifford. “Porque todos nós nos responsabilizamos por coisas diferentes. Nós pedimos conselhos sobre coisas que sabemos que não são a nossa área, mas agora temos feito isso por cinco anos, nós entendemos muito mais.”

Hood adiciona: “E nós provamos a nós mesmos: estamos no Madison Square Garden, então você precisa assumir o controle do seu show. Se for uma merda, a culpa é sua.”

4.45pm: Mais uma fan session com a 5SOSFam. Foto: Nick Hudson.
No meio de toda essa atividade, há a sessão de fotos da Stellar. Os meninos insistem em usar suas próprias roupas e a maquiadora, que eles pediram para ser trazida de fora de Los Angeles, passa mais tempo da tarde no cabelo e maquiagem de suas namoradas do que os dando visuais de estrelas do rock. Ela revela, no entanto, que Clifford tem um punhado de cabelo na parte de trás de sua cabeça que sempre fica para cima, e que Hemmings ama botas – aparentemente, ele tem um par dourado da Yves Saint Laurent, queridos.

Depois da sessão, nós conversamos em seu camarim. Eu fiz a primeira entrevista da história deles há quatro anos, depois do seu empresário Matt Emsell insistir que eles não eram só mais uma boy band, e segui sua rápida progressão de adolescentes sonhadores para jovens bem-sucedidos.

18:10: Afastando o nervosismo do pré-show antes da apresentação no Madison Square Garden. Imagem: Nick Hudson.
Tratamento de estrelas do rock, namoradas modelos e botas de designer de lado, a 5SOS continua sendo o quarteto educado e engraçado que sempre foi. Irwin dedilha uma guitarra e compõe uma canção de boas-vindas, enquanto Clifford afasta seus pratos de massa meio comidos. Há um fundo de nervosismo sobre este show, mas eles parecem bastante relaxados para um bando de caras australianos prestes a fazer um show com ingressos esgotados num local de renome mundial.

Eles dão gargalhadas quando informados que a Forbes os incluiu na “2016 Celebrity 100 Up And Comers list”, sugerindo que as suas vendas de álbuns e ingressos chegam “aos milhões de dois dígitos”.

“Quando meus pais reclamavam de impostos quando eu era mais jovem, era tipo, ‘tanto faz, mamãe'”, diz Clifford. “No ano passado fui para casa e foi mais como, ‘impostos, mas que diabos?!’ Metade de tudo se foi! É como passar por um divórcio cada vez que você recebe o pagamento.

20:36: Os meninos relaxam e se divertem antes do show.
Impostos não são sua única dor de cabeça. Eles explicam como fizeram do 5SOS Express, o ônibus que é a sua casa durante a fase norte-americana da turnê, uma casa longe de casa com mantas, tapetes e, no caso de Hood, luzes de fadas em seu beliche. Mesmo assim, fazer uma turnê ainda tem seus efeitos sobre os rapazes: “É super-romantizado, mas você está vivendo a meio metro de todo mundo na turnê”, explica Clifford.

Uma forma mais divertida de transporte é o carrinho de golfe que eles solicitam em todas as paradas. Eles os dirigem pelos enormes estacionamentos das arenas em que se apresentam para dizer “olá” para os fãs e, quando as meninas já entraram, para seus pais. Eles também posam para selfies com os pais que esperam do lado de fora em seus carros, sabendo que as fotos, mais tarde, deixarão suas filhas verdes de inveja.

9pm: Rocking out em frente a 18,000 fãs. Foto: Modest management.

10pm: Fãs mostram seu carinho pelos garotos. Foto: Nick Hudson.
A 5SOS escapou do rótulo de boy-band, sendo agora considerada como um grupo punk-pop, e demonstrando costeletas musicais respeitáveis durante o show, que começa em torno das 21h. Seu longo dia de divulgação e compromissos com fãs aparentemente não os prejudicou, já que eles fizeram uma performance polida, enérgica e extremamente divertida.

A mãe de Hemmings está no corredor em frente ao palco tirando fotos, enquanto seu pai e irmão estão na mesa de som, junto com as namoradas [dos garotos da banda] e amigos, bebendo, dançando e cantando junto. Assim como as mães na multidão; os pais estão em sua maioria sentados e sorrindo enquanto suas filhas gritam, cantam e dançam.

23:00: E chegamos ao fim! Faíscas voam enquanto o show da 5SOS chega ao fim.
Os gritos machucam seus ouvidos, as músicas não; seus ganchos pop, vocais de três partes, os ritmos propulsores de Irwin e a apresentação animada te incitam a se mover.

A faixa favorita dos fãs, “Jet Black Heart”, perde alguma força quando Clifford estende seu grande momento de absorver os gritos sozinho no palco por cerca de três minutos, enquanto seus companheiros de banda esperam. Eu me pergunto quem terá que conversar com ele e dizer para não demorar tanto tempo no próximo show. Mas também gostaria de saber mais o quão longe eles conseguem ir. Depois de uma noite de triunfo, parece que o sonho não está tão longe da realidade.

A 5 Seconds of Summer se apresentará na Margaret Court Arena, em Melbourne, no dia em 29 de setembro; na Riverstage, em Brisbane, no dia 02 de outubro; e no Hordern Pavilion, em Sydney, nos dias 4 e 5 de outubro.

Fonte: Stellar
Tradução/Adaptação: Equipe 5SOS Brasil

16
09

No domingo nós fomos ao show da turnê Sounds Live Feels Live, do 5 Seconds of Summer em Albuquerque, Novo México. Foi épico então nós pensamos em deixar vocês saberem o que nós achamos!

Depois de muita chuva, o céu clareou em tempo para o começo do show. Ashton descobriu que não é exatamente um pote de ouro no final do arco-íris…

Roy English

As 7:20, as luzes se apagaram e era hora do primeiro show: Roy English. Ele é um cantor e compositor de Los Angeles. Embora seu show tenha sido de apenas 20 minutos, foi excelente. Vestindo uma camiseta cinxa e uma calça jeans skinny preta, ele nos impressionou extraordináriamente como primeira atração. Ele tem uma voz bonita, a música foi boa e sua presença de palco foi maravilhosa. No final de sua apresentação, praticamente todas as pessoas pulavam e dançavam. Sua melhor música foi “Wasted Youth”, que é uma upbeat, divertida.

Hey Violet

A outra banda de abertura foi Hey Violet. Sem dúvida uma das bandas que mais tem crescido. Abrir para 5SOS os ajudou a aumentar sua fanbase. Nia Lovelis descobriu que Novo México é particularmente boa, enquanto Casey Moreta descobriu que o pôr do sol é particularmente bonito:

Seu som é um pouco como o do Paramore. A voz de Rena é especialmente como a de Hayley Wiliams. A energia no palco foi incrível. Rena estava como uma abelha, se abelhas tivessem o cabelo bem rosa, pulando pelo palco e parecendo que estava tendo o melhor momento de sua vida. Nia arrasou na bateria, literalmente e figurativamente, tudo enquanto usava uma camiseta que dizia, “beije os meninos e faça eles chorarem”.

O show deles foi maior, cerca de 40 minutos. Eles abriram com sua música “Brand New Moves,” que é funky e
divertida. Eles tocaram algumas outras de suas músicas, e tamém um cover de “Don’t Let Me Down.” Eles fecharam com “Fuqboi,” que foi o jeito perfeito de encerrar seu show. É uma upbeat e uma ótima música para se dançar, inclusive todos estavam pulando e cantando junto. Foi energético e aproveitável.

5 Seconds of Summer

Último mas não menos importante, 5 Seconds of Summer tocou. Mais ou menos uma hora e meia de músicas insanas resume bastante. Quando as luzes se apagaram todos começaram a gritar. Eles abriram com “Hey Everybody” uma ótima música para cantar junto e que fez com que todos dançassem.

Outra ótima música de se ouvir ao vivo é “Girls Talk Boys”. Ouvir Luke no piano foi incrível e o sentimento da música é diferente de muitas de suas outras músicas, fazendo com que fosse legal ouvir pessoalmente.

Alguns pontos altos do show incluem Michael falando sobre quão difícil é soletrar Albuquerque (não vamos discutir sobre essa), e como ele está determinado a fazer uma piada sobre Breaking Bad antes do show terminar.

Outro ponto alto ocorreu antes de “Jet Black Heart”, Michael estava no palco sozinho e o público começou a gritar por mais de 2 minuts até que a música começou:

Eles fecharam o show com “She’s Kinda Hot” e “She Looks So Perfect”, duas de suas maiores músicas, ambas que fizeram a galera ir a loucura. Ninguém queria que o show acabasse, então os gritos ficaram mais altos e os meninos ainda mais energizados. Num geral, os meninos foram ótimos e o show inesquecível. Nós mal podemos esperar para que eles voltem!

Fonte: CelebMix
Tradução/Adaptação: Equipe 5SOS Brasil

13
09

Para um grupo de australianos que quebrou o mercado norte-americano em uma turnê com os galãs do U.K. da One Direction, 5 Seconds of Summer não poderia parar de falar sobre o papel especial que Ak-Chin Pavilion em Phoenix tem desempenhado na história de suas vidas até agora.

Foi onde eles lançaram sua primeira turnê em anfiteatros dos EUA – sua graduação para as grandes ligas em uma idade em que a maioria dos músicos são apenas sortudos de estar terminando o ensino médio.

E eles abalaram aquele velho palco familiar como veteranos, parando com frequência para interagir com seus fãs adoradorados, que pareciam saber as palavras de cada canção e saudaram cada música, palavra e/ou gesto com apenas tímidos-e-ensurdecedores gritos de aprovação.

Aqueles gritos estiveram próximos de abafar o vocal de Luke Hemmings quando ele andou pela primeira vez ao microfone para começar o processo com um discreto “Carry On.” Muito mais tarde, Michael Clifford fez um trabalho brilhante de deixar o entusiasmo de seus fãs se tornar o show quando ele estava lá, backlit em sua camisa do Ozzy Osbourne, e ordenhou os aplausos simplesmente esperando os gritos de morrer para baixo, sabendo que eles não iriam.

Em um ponto, saindo de ” Girls Talk Boys “, um Clifford radiante ganhou uma enorme resposta por dizer, “Não diga a qualquer um dos outros shows que nós fizemos para essa turnê, mas eu tenho um sentimento que Phoenix, Arizona , que você pode ser meu lugar favorito para tocar em todo o mundo. ”

Eles adicionaram um segundo álbum – a carta-cobertura “Sounds Good Feels Good ” – e um novo badalado single do “Os Caça-Fantasmas” ( “Girls Talk Boys “) para o set list desde aquela primeira turnê como atração principal, ampliando o alcance seu som – uma mistura cativante de power-pop, hard rock e pós-Green Day pop-punk com a balada ocasionalmente jogado.

É uma combinação vencedora e eles fizeram tanto quanto qualquer ato em memória recente de passar a tocha para o rock and roll para uma nova geração de fãs – os mesmos fãs que já tinha cantando junto com sua cobertura animada de “What I Like About You “do Romantics desde aquela turnê com a One Direction.

O setlist tocado em todas as músicas um fã poderia esperar para ouvir, trazendo o conjunto a um fim triunfante com o público cantando junto seu primeiro hit, “She Looks So Perfect “, que saindo para seu maior sucesso do segundo álbum, “She’s Kinda Hot “, e aquela canção do Romantics que já me referi anteriormente, que por sua vez tinha sido precedido pelo Green Day com sabor de “Permanent Vacation”.

Esse foi basicamente o final estridente, mas o núcleo emocional de um show 5SOS permanece “Amnésia”, uma balada afetuosa que se transformou em outro singalong maciça no coro desesperado: “Queria que eu pudesse acordar com amnésia / E esquecer as pequenas coisas estúpidas/ Como a sensação de adormecer ao seu lado / E as memórias das quais eu nunca consigo escapar”.

O impulso geral do show, no entanto, foi menos sobre as memórias que você gostaria de escapar e mais sobre o tipo que você espera vai durar para sempre. Como Clifford disse à multidão em um ponto, “eu estou vou supor que todos vieram aqui esta noite para ter a melhor noite de suas vidas, por qual outra razão você viria a um show da 5 Seconds of Summer?” E a julgando pela reação do público aos seus comentários, não há nenhuma razão para acreditar que eles não sentira, pelo menos um pouco,que essa foi a melhor noite que muitos desses fãs já tiveram.

+Imagens: Review – 5 Seconds of Summer estavam muito animados por estar em Phoenix, onde eles lançaram sua primeira turnê

Fonte: AZ Central
Tradução/Adaptação: Equipe 5SOS Brasil

05
09

5 Seconds of Summer apresentando-se na Spokane Arena.
Terça-feira a noite (30 de agosto), levei minha filha de 12 anos ao show da banda 5 Seconds of Summer na Spokane Arena, onde ela se juntou a muitas outras crianças de sua idade, muitas das quais provavelmente acabaram de ter o seu primeiro dia na escola.

Eu praticamente não sabia nada de antemão sobre a banda, a não ser que eles são de origem australiana e gostam de bandas pop-punk como Green Day. E isto provou-se verdadeiro; tocaram músicas do Green Day e do Blink-182 antes da banda se apresentar. Suas quase 20 músicas mostraram típicas características do gênero: melodias curtas, refrões fáceis de cantar, além de várias exortações para os fãs cantarem junto.

Embora já faça algum tempo, já vi diversas “boy bands” como Backstreet Boys, O-Town e ‘N Sync, devido ao meu trabalho. É impressionante como algumas coisas mudaram nesse mundo, enquanto outras permaneceram iguais. Veja:

MUDANÇA: preços absurdos. Isso não é nenhuma novidade para os fãs de música, eu sei, e os ingressos para ver a 5 Seconds of Summer não estavam muitos caros. Porém, eles estavam caros o suficiente para impedir que o show lotasse. 100 dólares por um moletom? 50 dólares por uma camiseta?

O MESMO: previsivelmente, 90% do público consistia de meninas adolescentes. Os outros 10%? Provavelmente era composto por pais e mães.

MUDANÇA: como uma regra geral, eu sempre acho que as bandas são idiotas quando decidem colocar nos auto-falantes antes de sua apresentação, músicas de bandas melhores/mais conhecidas. Pense, Nickelback tocando Zeppelin. 5 Seconds of Summer apostou nas bandas mencionadas acima, além dos companheiros de terra natal, AC/DC. Eles também colocaram sua própria música tocando na arena antes de subir ao palco! Foi a música “Girls Talk Boys”, sendo que eles a tocaram ao vivo na mesma noite.

MUDANÇA: nos tempos de ‘N Sync, 98 Degrees e similares, o público ficava satisfeito só de gritar para os rapazes no palco. Agora, cada movimento é registrado pela câmera do celular — as poses dos garotos do 5SOS, e os membros da plateia e seus amigos tirando selfies de todos os ângulos possíveis. A #CulturadoSelfie é definitivamente um aspecto diferente do fenômeno das “boy bands”.

O MESMO: os fãs têm os seus favoritos. Cada membro da banda falou ao microfone em diversos momentos do show e foi recebido com gritos eufóricos pelas crianças que o têm como favorito. Não importava se era o baterista Ashton Irwin persuadindo as pessoas a irem para a pista, o baixista Calum Hood cantando uma música, o vocalista Luke Hemmings com o seu solo ou o guitarrista Michael Clifford apenas emocionado — eles foram recebidos com gritos ensurdecedores, mesmo com a arena não estando lotada.

MUDANÇA: ao contrário dessas “boy bands” que dependem de seus coreógrafos, compositores e diversas outras pessoas para garantir a fama e a fortuna, é fácil dizer que o 5 Seconds of Summer pode durar como banda. Claro, eles tem um som pop, mas eles tocam os seus próprios instrumentos e suas brincadeiras entre as músicas (com uma certa dose de palavrões) foram bastante cativantes e, aparentemente, improvisadas. Essas antigas “boy bands” ensaiavam tudo e nada parecia espontâneo. A 5 Seconds of Summer pode ser tanto um produto quanto uma banda, mas eles podem se tornar algo melhor do que são hoje um dia.

Seus fãs com certeza se tornarão.

Fonte: INLANDER
Tradução/Adaptação: Equipe 5SOS Brasil

30
08

De alguma forma, na minha adolescência, não participei de toda a obsessão por boy bands. Eu era apenas um pouco velha demais para me juntar as meninas que desmaiavam por causa do New Kids on the Block, e nunca lotei meu quarto com cartazes de Joey ou Jordan. Eu não comprei seus álbuns, e definitivamente não implorava por ingressos para shows.

As coisas não mudaram novamente, quando, alguns anos mais tarde, bandas como Backstreet Boys ou N*SYNC chagaram na cena. Sim, eu amava os vídeos e dançava com as suas músicas, mas, novamente, eu não clamava por suas camisetas, livros ou qualquer outra mercadoria. Eu não era obcecada. (Já que é para me confessar… talvez agora eu seja um pouco obcecada pelo Justin Timberlake. Esse homem é brilhante!)

Quando eu era adolescente, meu armário era decorado com fotos de bandas como INXS, Duran Duran, Tears for Fears, Def Leppard e Poison. O mais próximo que eu poderia ter chegado do amor por boy bands foi ter gostado de Boyz II Men e Bel Biv Devo.

Então, quando a minha filha de 17 anos começou a implorar por ingressos da 5 Seconds of Summer quase um ano atrás, eu realmente não entendi muito bem o sentimento “eu tenho que ter um ingresso ou eu vou morrer”. Claro que eu amo seus hits “Amnesia” e “She Looks So Perfect”, mas um show inteiro? Bem … conheça Courtany Durrant [filha da jornalista autora do artigo] e sua descrição da noite de sexta-feira merecedora de gritos.

(Disclaimer: como muitas das fãs de 5SOS, Courtany é particularmente obcecada por um membro específico da banda. Como resultado, algumas respostas podem ser um pouco tendenciosas.)

Citação da noite: “Assim que a banda subiu ao palco, Courtany começou a chorar, dizendo: ‘Eles são reais'”, disse a irmã Brittany, concordando que o show foi incrível.

Membro favorito da banda: “Michael Clifford. Isso não é sequer uma questão. Ele é o amor da minha vida.”.

Performance favorita: “Eu amei cada uma delas. Foi a melhor noite da minha vida. Eu diria ‘Jet Black Heart’, porque essa música era ‘Michael’. Ele a cômpos e canta a maior parte. Eu chorei muito…”

Momento de solo favorito: “Cada solo de guitarra do Michael e seus discursos.”

Música favorita para cantar junta: “‘Waste the Night’, porque é a minha música favorita”.

Música favorita que eles não cantam: “‘Wrapped Around Your Finger.'”

Momento favorito de improviso: “Quando Michael estava tentando pronunciar Utah.”

E agora algumas observações oficiais da escritora:

*A lição de Michael sobre como incentivar adequadamente um encore. “Se você está pegando o que eu estou colocando para baixo …”, disse ele.

*Os gritos das milhares de adolescentes foram mais que ensurdecedores. Não tenho certeza de quando serei capaz de ouvir claramente novamente.

*Não havia muito relacionado a decoração no palco – mais uma razão para olhar para os quatro homens jovens e bonitos. Três telas de LED grandes e efeitos de iluminação sólidos foram tudo o que era necessário para agradar os milhares de pré-adolescentes, adolescentes, meninas de 20 e poucos anos, mães e pais, e namorados leais e maridos.

Fonte: Herald Extra
Tradução/Adaptação: Equipe 5SOS Brasil





Atualizações da galeria
Apoio